22 de abr de 2010

FIGUREIRAS DE TAUBATÉ:





Os trabalhos de modelar pequenas figuras iniciaram-se através dos frades franciscanos do Convento de Santa Clara, no século XVII, que encomendavam às mulheres, por ocasião das festas natalinas, a confecção de presépios com cenas relativas ao nascimento de Jesus: o Estábulo de Belém, a Manjedoura, São José, Nossa Senhora, os Reis Magos, a Estrela e os animais: burrico, boi, vaca, carneiro... Com o tempo e, com muita criatividade, sensibilidade e humor, as figureiras passaram a espelhar em seus trabalhos outros temas.  Novos personagens surgiram representados por pequenas figuras sempre bem coloridas, com dimensões entre 3 e 25 cm, retratando o cotidiano, as profissões, as festas religiosas, os animais e o imaginário popular. Assim surgiram o Pavão (também chamado de Galinho do céu), a Chuva de Pavões, o São Francisco com os pássaros, Nossa Senhora das Flores, Nossa Senhora de Aparecida, e muitas outras figuras.

As figureiras modelam suas obras usando barro que é amassado delicadamente com os dedos. As peças não são levadas ao forno, são secas ao tempo, por cerca de 24 horas. Em seguida, inicia-se a decoração, quando são pintadas, nos mínimos detalhes, com tintas comerciais do tipo, acrilex, suvinil, pó xadrez e similares. Uma das características do trabalho de todas as figureiras são as cores vibrantes das peças. Aplicam muito um azul de tom forte, amarelo, verde, branco, preto, vermelho, prateado, dourado, etc.


(fotos: Bárbara Milano)

Um comentário: