2 de ago de 2011

Panorama da Cerâmica Brasileira – Cunha 2011


Projeto de Extensão Universitária

Coordenação: Profª. Drª. Lalada Dalglish

02 a 06 de setembro 2011


O Projeto de Extensão Universitária PANORAMA DA CERÂMICA BRASILEIRA, de cunho acadêmico e cultural, vem sendo realizado há 15 anos no Instituto de Artes da UNESP/SP, com o objetivo de promover e divulgar pesquisas sobre a arte cerâmica no Brasil. O curso faz parte do programa da PROEX/Pró-Reitoria de Extensão da UNESP (www.unesp.br), com direito a certificado de freqüência, e é destinado a alunos, comunidade, pesquisadores e interessados na arte cerâmica.

A viagem de pesquisa à Cidade de Cunha/SP inclui visitas aos ateliers de cerâmica, palestras com os ceramistas, demonstrações sobre as técnicas usadas na modelagem, na pintura e na queima da cerâmica, que em sua maioria são feitas em fornos orientais denominados “Noborigama”. São poucos os fornos Noborigamas existentes no Brasil e a maioria deles está localizado na cidade de Cunha, o que torna a viagem uma experiência rara e importante para aqueles interessados na arte cerâmica.

Roteiro:

02 de setembro
16:00h: Saída de São Paulo (IA/UNESP/Barra Funda) com previsão de chegada a Cunha às 18:00hs


03 a 05 de setembro
Visita aos ateliês de cerâmica e Centro Cultural; abertura de fornadas, palestras, demonstrações e workshop.


06 de setembro
10:00h: Saída de Cunha. Visita à Associação dos Artesãos da Cidade de Taubaté/SP.
18:00h: Horário previsto de retorno a São Paulo             IA/UNESP/Barra Funda.



O investimento é de R$220,00 (duzentos e vinte reais) incluindo:
apostila, palestras, transporte e hospedagem (incluso café da manhã)


Inscrição com Lívia Botazzo: livia_botazzo@hotmail.com



VAGAS LIMITADAS

28 de ago de 2010

Roteiro da Viagem:

Roteiro da Viagem ao Vale do Jequitinhonha
                                                  02 a 07/09/2010


DIA 02/09- Saída de São Paulo as 14:00 horas

DIA 03/09- São Paulo a Santana do Araçuai (BR116 - 1.198km)
(DIA 03/09, chegamos em Santana do Araçuai pela manhã, vamos ao hotel, tomamos café e passamos o dia com Dona Izabel e dormimos em Ponto dos Volantes a 9km da cidade) 

DIA 04/09- Santana do Araçuai até Carai (BR116 - 83km)(DIA 04/09 saímos de Santana do Araçuai as 7:00hs da manhã,  chegamos em Carai as 9:00hs e passamos o dia c/ Noemisa e a família de Ulisses e saímos para Minas Novas às 16:00hs) 

DIA 04/09- Carai até Minas Novas (MG211 - 187Km) (DIA 04 chegamos a Minas Novas as 19:00hs onde ficaremos até o dia 06/09)

DIA 04, 05 e 06 – Minas Novas - Dormimos em Minas Novas nos dias 4, 5, e 6. No dia 05 visitamos a comunidade de Coqueiro Campo e no dia 06 visitamos Campo Alegre e arredores.)

DIA 07/09- Minas Novas São Paulo (B120 e BR 381 - 1.082Km).(DIA 07 saimos de Minas Novas as 6:00 da manhã chegando em SP as 19:00hs) 


O ônibus terá SAÍDA e RETORNO do seguinte endereço:
UNESP-SP
Rua Dr. Bento Teobaldo Ferraz, 271 
Barra Funda, São Paulo-SP,  (ao lado do Metrô Barra Funda)
Fone: 11-3393-8531 e 3393-8678
 
OBS.:  CLIMA - Geralmente faz muito calor no Vale do Jequitinhonha (cerca de 33 graus), leve  roupas leves e um agasalho para a viagem e para a noite.
            ROUPAS - Leve pouca roupa pois o onibus está totalmente cheio, e são somente cinco dias e 4 noites. Leve tenis para longas  caminhadas em estradas de terra. Leve protetor solar, óculos e chapeu. Leve maiô e sandália pois o Hotel de Minas Novas tem piscina. (para piscina será possível pedir toalhas extras ao hotel - valor unitário 3,00)
 

27 de ago de 2010

Incrições encerradas:

 
As incrições para a viagem já foram encerradas!!!

 Logo postarei nosso roteiro...


...

18 de jun de 2010

Viagem 2010:



Projeto de Extensão Universitária:

"Panorama da Cerâmica Brasileira"

 Coordenação: Profa. Dra. Lalada Dalglish

 O Projeto de Extensão Universitária "Panorama da Cerâmica Brasileira", Coordenado pela Prof. Dra. Lalada Dalglish, acontece uma vez por ano e em 2010 o destino será o Vale do Jequitinhonha em Minas Gerais, onde conheceremos a cerâmica tradicional da região especialmente valorizada por suas "noivas". O projeto tem como objetivo divulgar a cerâmica popular brasileira promovendo o intercâmbio entre Universidade/aluno/artesão. Visa também resgatar saberes tradicionais e técnicas artesanais de construção da cerâmica latino-americana.

Viagem ao Vale do Jequitinhonha-MG   


02 a 07 de setembro 2010
Saída do IA-UNESP-Barra Funda às 14:00hs do dia 02/09 
retornando no dia 07/09 às 19:00hs.

O investimento é de R$480,00 incluindo: 
transporte e HOTEL (com café da manhã e jantar).

O pagamento poderá ser dividido em 
3 x (20/06 - 20/07 - 20/08) via déposito.
VAGAS LIMITADAS

Para increver-se: Bárbara Milano

ba_milano@yahoo.com.br

Bonecos da Terra no Sesc Ipiranga:



BONECOS DA TERRA: VALE DO JEQUITINHONHA

SESC Ipiranga-SP

Curadoria: Lalada Dalglish

12/06 a 25/07/2010

Projeto Expo-cenográfico: Agnus Valente
Projeto Fotográfico: Gerson Tung
Engenharia de Produção: Victor Schumacher Ehlert
SESC-IPIRANGA-SP
IA/UNESP/SP

SESC Ipiranga-SP
Rua Bom Pastor, 822
Fone: 11-3340-2000
                                                                      
O Vale do Jequitinhonha – região cuja população feminina já foi conhecida como “viúvas da seca” em razão da migração dos maridos em busca de trabalho e que foi retratado na mídia em inúmeras reportagens sobre a miséria e a fome – é hoje reverenciado como um dos maiores centros produtores de artesanato cerâmico no Brasil e goza de um novo referencial sociocultural e econômico. Grande parte da população das comunidades sobrevive atualmente do artesanato, e a tradição da cerâmica é um ofício para toda a família. As Noivas da Seca, bonecas de cerâmica vestidas de noivas, são as obras artísticas mais cobiçadas na região do Vale do Jequitinhonha. A palestra e exposição aqui apresentada mostra com grande sensibilidade o cotidiano e a obra dessas artesãs, que há gerações vêm transmitindo às suas filhas e netas os segredos da cerâmica, ocupação ancestral, misteriosa e sagrada.

22 de abr de 2010

A CERÂMICA POPULAR DO VALE DO JEQUITINHONHA:


 Em 2010 nossa viagem percorrerá a cerâmica do Vale do Jequitinhonha, situado no norte do estado de Minas Gerais, tradicionalmente conhecido pela pobreza e pela seca é pródigo na produção de peças de cerâmica. Graças às mãos habilidosas de suas habitantes, o barro abundante na região se transforma em artefatos reconhecidos pela excelente qualidade e criatividade. Durante sete anos, a ceramista Lalada Dalglish acompanhou o dia-a-dia das mulheres que se dividem entre a lida da casa e o artesanato. O resultado desta pesquisa pode ser conferido em Noivas da Seca, lançamento da Editora UNESP. Ricamente ilustrado, o livro destaca a produção de cerâmica nas regiões de Caraí (Ribeirão do Capivara), Turmalina (Campo Alegre), Minas Novas (Coqueiro Campo) e Santana do Araçuaí, com destaque especial para Noemisa, Zezinha, Aparecida e Isabel, reconhecidas artesãs que sobrevivem exclusivamente do seu trabalho. 
Na 20ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo, Lalada Dalglish apresentou "Noivas da Seca - Cerâmica popular do Vale do Jequitinhonha, editado pela Imprensa Oficial do Estado e Unesp. Abaixo, postamos a entrevista para que vocês possam saboreando nossa viagem deste ano...

FIGUREIRAS DE TAUBATÉ:





Os trabalhos de modelar pequenas figuras iniciaram-se através dos frades franciscanos do Convento de Santa Clara, no século XVII, que encomendavam às mulheres, por ocasião das festas natalinas, a confecção de presépios com cenas relativas ao nascimento de Jesus: o Estábulo de Belém, a Manjedoura, São José, Nossa Senhora, os Reis Magos, a Estrela e os animais: burrico, boi, vaca, carneiro... Com o tempo e, com muita criatividade, sensibilidade e humor, as figureiras passaram a espelhar em seus trabalhos outros temas.  Novos personagens surgiram representados por pequenas figuras sempre bem coloridas, com dimensões entre 3 e 25 cm, retratando o cotidiano, as profissões, as festas religiosas, os animais e o imaginário popular. Assim surgiram o Pavão (também chamado de Galinho do céu), a Chuva de Pavões, o São Francisco com os pássaros, Nossa Senhora das Flores, Nossa Senhora de Aparecida, e muitas outras figuras.

As figureiras modelam suas obras usando barro que é amassado delicadamente com os dedos. As peças não são levadas ao forno, são secas ao tempo, por cerca de 24 horas. Em seguida, inicia-se a decoração, quando são pintadas, nos mínimos detalhes, com tintas comerciais do tipo, acrilex, suvinil, pó xadrez e similares. Uma das características do trabalho de todas as figureiras são as cores vibrantes das peças. Aplicam muito um azul de tom forte, amarelo, verde, branco, preto, vermelho, prateado, dourado, etc.


(fotos: Bárbara Milano)

VIAGEM 2009: CUNHA E TAUBATÉ


Saindo de Sampa:

                        (foto: Bárbara Milano)  

Atelier Jardineiro e Suenaga

A turma:
   
Forno Noborigama:
Por dentro:
                        (fotos: Daniela Bueno)

Atelier Anand

Queima de Raku:
                        (foto: Felipe Camargo)

Atelier Alberto Cidraes
                  
Sarau com instrumentos feitos de cerâmica:

   
(fotos: Daniela Bueno)


21 de abr de 2010

O PROJETO:

Para a primeira postagem do blog... as apresentações:

O Projeto de Extensão Universitária "Panorama da Cerâmica Brasileira" acontece uma vez por ano e em 2009 ocorrerá no pólo cerâmico de Cunha em São Paulo. A proposta se estenderá aos estados de Minas Gerais e Nordeste do Brasil em áreas de grande produção de cerâmica popular. O projeto tem como objetivo divulgar a cerâmica popular brasileira; promover intercâmbio entre Universidade/aluno/artesão; resgatar saberes tradicionais e técnicas artesanais de construção da cerâmica; e publicar as pesquisas como produção acadêmica.

Pretende-se com este curso mapear e documentar o panorama atual da cerâmica popular brasileira. Na primeira fase do projeto, realizada no ano de 2009 foi proposto pesquisar a cerâmica produzida na cidade de Cunha-SP. Cunha é hoje o maior centro produtor de cerâmica artística no Estado de São Paulo e possui mais de 30 ateliers e um grande número de artesãos japoneses e brasileiros que utilizam uma técnica milenar de queima, usando fornos queimados a lenha, denominados "Noborigama". O Projeto Iniciou-se com um curso prático/teórico sobre o histórico da cerâmica, suas técnicas básicas de modelagem e coloração, as técnicas de construção de fornos e os vários tipos de queimas usadas na região. A segunda parte do curso será a pesquisa "in loco"que inclui visitas à cidade de Cunha e aos diversos ateliers de cerâmica onde haverá palestras ministradas pelos artesãos locais e demonstrações das técnicas de modelagem, esmaltação e queima da cerâmica e explicações sobre seus fornos e as tradições da queima.

Lalada Dalglish,
cordenadora do curso.



Lalada Dalglish é Doutora (Ph.D.) em Integração da América Latina (arte e cultura), pela USP-Universidade de São Paulo-SP e University of Califórnia Berkeley-USA; tem Mestrado em Artes (Design Cerâmico e Escultura), pela University of Puget Sound, Washington-USA e Bacharelado em Artes pelo Evergreen State College, Washington-USA. Fez especialização em cerâmica nos Estados Unidos, Japão e Coréia do Sul, ministrou cursos e palestras em vários países do mundo e implantou oficinas de cerâmica em Universidades brasileiras, incluindo Manaus, Belém, Rondônia, Brasília, e São Paulo. É autora dos livros “Noivas da Seca cerâmica popular do Vale do Jequitinhonha”, “Mestre Cardoso: a arte da cerâmica amazônica” e “Mulheres que fazem cântaros: tradição e transformação na cerâmica Paraguaia”. É Chefe do Departamento de Artes Visuais, Coordenadora dos Cursos de Pós-Graduação (Lato Sensu) em Arteterapia e em Ecologia, Arte e Sustentabilidade, é professora de cerâmica e escultura na graduação e pós-graduação do Instituto de Artes da UNESP – Universidade Estadual Paulista, São Paulo/SP. www.ia.unesp.br

Pesquisas Desenvolvidas e em Desenvolvimento:
Tendências do Design Cerâmico nas Universidades Brasileiras - Brasil 
A Cerâmica dos Índios Guaranis do Paraguai – Paraguai  
Cerâmica Afro-brasileira nos Quilombos do Brasil – Alagoas, Maranhão,Minas Gerais, Goiás 
A Cerâmica do Vale do Jequitinhonha - Minas Gerais  
Bienal Barro de América – Venezuela e Brasil  
Cerâmica Popular do Paraguai – Tobatí, Itá e Assunção - Paraguai
Ex-Votos - As Esculturas Milagrosas – Bahia, Minas Gerais e Goiás    
Santeria Cubana - Ritual e Magia – Cuba  
Manuel Mendive - Arte e Ritual – Havana – Cuba  
A Arte da Cerâmica Amazônica - Pará e Amazonas 
Design Cerâmico -Tendências Atuais de Pisos e Revestimentos Cerâmicos – Brasil
Francisco Brennand – A Magia na Cerâmica Contemporânea – Recife-PE 
A arte de Mestre Vitalino e seus seguidores - Alto do Moura - Caruaru - PE  
Cunha - Cerâmica e Tradição – Cunha - SP  
A Cerâmica de São Paulo – do Popular ao Contemporâneo – São Paulo-SP 
Cerâmica Popular do Poty Velho – Teresina - PI 
Cerâmica Oriental e sua influência no mundo ocidental – Japão e Coréia.